segunda-feira, 27 de novembro de 2017

António Costa em estratégia...so far so good?

"Para memória futura e para quem isso possa vir a interessar, podemos situar na madrugada da última sexta-feira para sábado o momento em que António Costa desistiu de governar, desistiu de seguir o programa político que propôs aos portugueses e aceitou passar de primeiro-ministro a simples equilibrista político”.

“Nessa madrugada, ao desautorizar pessoalmente os ministros das Finanças e da Educação, obrigando-os a ceder mais uma vez à FENPROF, António Costa abdicou de qualquer ideia de futuro sustentável que possa ter para o país, substituindo-a por uma simples estratégia de sobrevivência no poder, pronto a ceder, passo a passo, ponto por ponto, milhão por milhão, tudo o que os seus insaciáveis aliados de Governo vão exigir, além de tudo o que já obtiveram.”

António Costa deixou-se armadilhar pelo absurdo paradoxo de, em lugar de tirar partido da posição de força em que saiu das eleições, acabar antes a servir de boia de salvação aos seus parceiros, deixando-os continuar a vender um saco de promessas e de ilusões sem fim e a fantasiosa versão de que todas as melhorias económicas se devem a eles e às suas imposições”.

E mais: “Quando se rendeu à FENPROF, António Costa mostrou não ter aprendido nada com o que já ficou para trás: na política, como na vida, quando se cede uma vez a uma chantagem, vai ceder-se para sempre.”


Miguel Sousa Tavares em http://expresso.sapo.pt/politica/2017-11-25-Miguel-Sousa-Tavares-Antonio-Costa-desistiu-de-governar.-Rendeu-se-a-FENPROF

Sem comentários:

Publicar um comentário